Os desafios da logística das placas de energia solar

industria de energia solar

O setor industrial responsável pela fabricação de equipamentos fotovoltaicos, aqueles utilizados para a geração de energia elétrica por meio da energia solar, tem crescido a passos largos diante do cenário mundial que valoriza cada vez mais a geração e consumo de energia limpa e renovável. O Brasil, um país beneficiado geograficamente pela alta incidência solar, não está de fora dessa tendência mundial. Acredita-se que até 2024, nosso país tenha uma potência instalada de energia fotovoltaica de 3,2 gigawatts. Atualmente, esse número gira em torno de 1,5 gigawatts.

Equipamentos primordiais neste setor são as placas de energia solar, responsáveis pela captação da energia solar que será transformada em elétrica. No entanto, trata-se de um equipamento extremamente frágil e que necessita de cuidados especiais em seu manuseio e transporte. É necessário o desenvolvimento de acomodação, logística e metodologias específicas para que a integridade e qualidade das placas de energia solar seja garantida.

As placas de energia solar passam por um longo processo de múltiplas etapas na indústria até estarem prontas para serem comercializadas e despachadas. Por tratar de equipamentos de elevado custo, um aspecto importante a ser considerado é o uso de embalagens corretas, seguras e eficientes. Quando não são acomodadas da maneira adequada, as placas de energia solar podem chegar aos clientes quebradas, rachadas, deformadas ou arranhadas.

Acomodação, manuseio e transporte

As placas de energia solar costumam ser empilhadas – horizontalmente ou verticalmente – em uma caixa. Peças separadoras devem ser colocadas entre cada módulo e proteções extras precisam ser adicionadas aos quatro cantos de cada pilha de módulos. Em alguns casos, os módulos também são embalados em caixas de papelão individuais para serem acondicionados em uma caixa de papelão maior.

A caixa na palete precisa ser selada e amarrada e, em seguida, envolta em filme plástico. As placas de energia solar devem ser despachadas em paletes com cerca de 28 a 30 equipamentos. Contudo, importante frisar que não há um padrão globalmente aceito em relação a esse transporte, contando que as placas de energia solar cheguem ao destino final com a mesma qualidade e perfeição que saíram da indústria. Destaca-se que o grande obstáculo para tal são as diferentes exigências dos clientes, os diferentes tipos de placas de energia solar e a falta de cuidado e experiência das empresas responsáveis pelo transporte.

Embalagens empilhadas

Se as placas de energia solar forem empilhadas horizontalmente umas sobre as outras, pode haver tensões nas que estiverem na posição abaixo, levando a defeitos que o cliente pode não detectar a priori, como micro fendas, mas que podem ser prejudiciais após algum tempo. Além disso, muitas vezes, os separadores de caixa acabam não sendo de grande ajuda, por não serem suficientemente fortes e largos para separar os módulos uns dos outros. Assim, as camadas superiores da pilha causam tensão de peso em direção às camadas inferiores. Dessa maneira, com várias centenas de quilos pressionando os cantos inferiores das placas de energia solar, os equipamentos podem ter microfissuras em suas células.

Com tais ocorrências potenciais de tensões mecânicas e de peso, geralmente é uma solução preferível embalar as placas de energia solar verticalmente para minimizar a pressão de cima para baixo e a tensão de peso nos módulos. Dessa maneira, as paletes das placas de energia solar podem ser embaladas verticalmente, além de serem enfaixadas e fixadas com proteções entre elas, sem espaço para que não se movam.

Porém, alguns clientes podem exigir que os módulos sejam embalados horizontalmente, em muitos casos, para economizar custos e tempo na retirada da embalagem. Nesses casos, são necessários bons materiais de proteção entre cada módulo e ao seu redor para reduzir os danos potenciais. Uma ajuda adicional seria encaixotar os módulos, o que, no entanto, implica em custos de transporte mais altos.

Com o carregamento, transporte e descarregamento, há mais perigos pela frente: mal embalados, as tensões mecânicas e os riscos a que as placas de energia solar são expostas durante a jornada são múltiplos. Por isso, uma série de cuidados é essencial para reduzir os potenciais impactos que podem ocorrer durante o transporte, tais como manuseio indevido, vibrações de tensão nos módulos enquanto são transportados em estrada acidentada, entre outros.

Dessa maneira, as soluções logísticas criadas especialmente para o segmento de energia solar são extremamente importantes para garantir a integridade e a qualidade dos equipamentos do setor. A empresa responsável pelo transporte de tais equipamentos realiza tanto a retirada de cargas nas indústrias ou no porto, quando são importadas, quanto a armazenagem e todo o processo logístico.

O Grupo Arizona possui expertise nesse segmento, garantindo o correto transporte das placas de energia solar, com segurança e agilidade. Fale com um de nossos consultores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Matriz Contagem/MG

Av. Coronel Jove Soares Nogueira Nº 707
Bairro: Inconfidentes
CEP: 32.260-470

Filial São Paulo/SP

Rua 12 de Setembro,  277 – Vila Guilherme – São Paulo – SP – CEP: 02052-001

Ponto de Apoio / Serra do Navio-AP

Estrada do Tapereba, S/N
Bairro: Área Industrial da ICOMI
CEP: 68914-000

Filial Belém/PA

Estrada do Outeiro S/ N° Porto Norte Log
Bairro: Distrito Industrial de Icoarací
CEP: 668.15-902

Filial Macapá/AP

Estrada Macapá Mazagão S/N°
Porto Norte Log, Sala 5 B
Bairro: Distrito Industrial
CEP: 68.925-000

Copyright © GRUPO ARIZONA – Todos os direitos reservados.